Flavia Aranha

Blog

Pau-Brasil, o nosso vermelho

Paubrasilia echinata - arabutã, ibirapiranga, ibirapitá, ibirapitanga, orabutã - nosso Pau-Brasil.

Durante séculos foi utilizado como um importante corante natural até a descoberta dos corantes sintéticos em meados de 1800.

Hoje, esta árvore original do Brasil, é ameaçada de extinção na mata nativa.

A espécie foi violentamente explorada durante a colonização e comercializada pelo mercado europeu. Além do uso tradicional na indústria moveleira e têxtil, o Pau Brasil também passou a ser utilizado para a fabricação artesanal de instrumentos de música clássica no século XVIII. O melhor arco de violino do mundo é feito com Pau-Brasil, que possibilita um som único por sua estrutura e composição.

Após longa pesquisa, localizamos um polo produtivo de arcos de violino no Espírito Santo. Ao visitarmos as fábricas, percebemos que, no processo de confecção dos arcos, muita serragem de Pau Brasil era jogada fora.

O que era resíduo em uma fábrica artesanal, virou matéria-prima para nossos vermelhos da coleção.

Experimentamos muitas possibilidades de aplicação, e o processo de desenvolvimento dos extratos e dos tingimentos levou cerca de um ano para se materializar em tecidos, roupas e acessórios.

Uma coleção com vestidos, blusas e saias em seda, algodão e linho. E também peças especiais em xinil, uma técnica artesanal de tecelagem desenvolvida no Vale do Urucuia em parceria com as artesãs da Central Veredas. Ainda, os acessórios como bolsas e sapatos feitos à mão, desenvolvidos com fibra de bananeiras tinta com o Pau-Brasil.

Para criação dos estampados da coleção, feitos com a técnica de impressão botânica, utilizamos os resíduos da serragem pós tingimento. Toda coloração de matéria prima foi feita em nosso ateliê em São Paulo.

O vermelho intenso se desdobra em roxos, rosados e alaranjados, de acordo com o tecido e a concentração do substrato combinados com diferentes mordentes (fixador natural que reage com a cor da planta agregando novos tons a ela).

Relacionar-se com o Pau-Brasil é uma possibilidade de acessar o poder da nossa terra e a intensidade da nossa biodiversidade.

Também nos provoca refletir sobre o passado e o futuro, sobre o desmatamento iniciado durante a colonização e que se intensifica até os dias de hoje.

Atualmente temos apenas 6% da Mata Atlântica original, o bioma nativo do Pau-Brasil. O agronegócio dá espaço para alimentos transgênicos e agrotóxicos, e nesse processo, a mata some: de norte a sul do país.

Conversamos com produtores de arcos de violinos para conhecer a origem das suas madeiras, e entendemos que já existiram projetos de reflorestamento da árvore. O fato da espécie demorar cerca de 20 a 50 anos para atingir sua maturidade para este fim, faz com que iniciativas percam força e vigor.

Hoje, o corte da árvore é proibido, mas, segundo os produtores, seus estoques de madeira certificadas pelo IBAMA, durarão aproximadamente 30 anos. Estes, acreditam que, após este tempo, suas fábricas de arcos de violino deixarão de existir.

Ao inserir o resíduo do Pau-Brasil em nossa cadeia produtiva, refletimos sobre a construção da identidade brasileira, os impactos socioambientais da exploração da espécie e seus desdobramentos.

Esta experiência nos motivou a procurar pessoas que possam nos conectar com iniciativas de replantio da árvore aliados a projetos de regeneração dos nossos biomas.

Estamos pesquisando e planejando ações que dialoguem com a nossa rede, envolvendo grupos produtivos, parceiros, artesãos e clientes da marca nessa pauta.

Um assunto tão complexo quanto necessário. Fica o questionamento, e o futuro?

Palestra, filme e oficina Pau-Brasil | 22/07

Convidamos todas e todos para uma vivência sensorial em nosso ateliê neste sábado.

Nesta oficina gratuita, você poderá acompanhar o processo de feitura da tinta com o resíduo de Pau-Brasil e colorir um lenço.

Teremos ainda a apresentação do filme que conta sobre o processo de desenvolvimento e a pesquisa realizada no Espírito Santo, com Flavia Aranha compartilhando suas reflexões sobre o tema. 

Também faremos a distribuição de 100 mudas de Pau-Brasil.

O evento é aberto ao público, e para a oficina pedimos inscrição antecipada, pois teremos 50 vagas.

Para animar, cerveja da  Três Fidalgas e música. 

Esperamos você!  : )

Data: 22 de julho
Horário: 14h00 às 18h
Local: Rua Aspicuelta, 224 – Vila Madalena
> 14h30 – Apresentação Filme com Flavia Aranha compartilhando suas reflexões e pesquisa sobre o tema
> 15h – Oficina de tingimento natural com Pau-Brasil (VAGAS ESGOTADAS - Gratuito, apenas 50 vagas – inscrições através deste formulário https://goo.gl/forms/PHtLaoneRJIQMveZ2
> 18h – Encerramento

 

IMPORTANTE:

O evento será aberto para todos e todas, e na oficina teremos a disponibilidade para atender 50 participantes.

No momento, as inscrições da oficina já esgotaram, mas venha participar da palestra, distribuição de mudas e do nosso evento.  : )